17 de fevereiro de 2019

O que são e por que investir em Fundos de Investimento?

fundos de investimento O que são e por que investir em Fundos de Investimento?

Depois de organizar a vida financeira, deixar o seu controle financeiro em dia, muitas pessoas conseguem economizar parte dos ganhos. Porém, acabam deixando o dinheiro parado. E vocês sabem: dinheiro parado não traz lucro. Portanto, pensar em investir é necessário para fazer seu dinheiro multiplicar.

Uma boa ideia – que ainda causa medo – são os fundos de investimento.

Mas, por que investir em fundos?

Listamos algumas informações e vamos te guiar por esse universo. Veja só!

O que é um fundo de investimento?

Imagine diversas pessoas (investidores) que se unem com o objetivo comum de multiplicar os ganhos, cada qual com sua cota – determinada pela quantia investida – e, consequentemente com lucros relativos.

Essa “união” é caracterizada como uma pessoa jurídica e fica sob a tutela de um gestor profissional, muitas vezes uma empresa especializada, que estabelece uma estratégia de investimento. Esse gestor escolhe onde e quanto investir.

Como funciona?

Os fundos possuem características próprias, de acordo com o perfil dos investimentos. A empresa gestora opta por esse perfil. Eles podem ser:

  • FIA: investem em ações e, segundo o regulamento, só podem direcionar recursos para esse mercado;
  • FIRF: investem em fundos de renda fixa. Por exemplo: títulos públicos federais e CDB’s de bancos diversos;
  • DI: fundos voltados para investimentos no CDI (Certificado de Depósito Interbancário);
  • FIM: esses fundos podem investir tanto em ações como em fundos de renda fixa;
  • FIC: fundos que não investem em títulos, mas em cotas de outros fundos.

Como você viu, são diversas modalidades e todas possuem regulamentos específicos que regem suas ações.

Quais são os riscos?

Os riscos do investimento variam de acordo com o perfil do fundo. Porém, esse não é o único fator. Talvez, o mais importante é a estratégia de investimento.

A forma como a empresa gestora decide aplicar o dinheiro é o que definirá o nível de risco. Para isso, ela deve fazer análises constantes do mercado e escolher os títulos que podem trazer melhores retornos.

Como escolher o fundo?

Para escolher o fundo mais adequado, o ideal é entender qual o seu perfil. Se está propenso a mais riscos ou se prefere fundos com menor riscos e um menor lucro.

Analise diversas instituições financeiras e os resultados dos últimos meses.

A possibilidade de pulverizar os investimentos, ou seja, aplicar em mais de uma possibilidade de fundo é uma estratégia comum e que pode dar bastante certo. Afinal, você divide os riscos também.

Outro ponto importante a se levar em consideração é a taxa administrativa dos fundos. Avalie os valores e os últimos rendimentos para analisar se vale a pena investir.

Como enviar o dinheiro?

A forma mais simples de enviar o dinheiro é por meio de transferência eletrônica da conta do investidor (que tenha o seu CPF como titular) para a conta do fundo (que conste o CNPJ exclusivo).

Outra forma é por meio de uma corretora de valores que possa realizar a transação por “conta e ordem”. O investidor envia para a corretora que transferirá para o fundo.

Em hipótese alguma envie para contas pessoais ou de empresas que não estejam aptas a realizar os devidos trâmites.

Invista seu dinheiro e realize aqueles sonhos que tanto almeja. Você pode ter vários amigos pensando “por que investir em fundos?”, então, compartilhe esse post nas redes sociais.

Artigos Relacionados:

Efetividade Finanças Pessoais

Outros textos de Efetividade Finanças Pessoais

Adicionar comentário