25 de junho de 2019

Orçamento doméstico: o que cortar?

Se o dinheiro nunca sobra é porque se está tendo uma vida incompatível com os ganhos, aí não tem jeito, o negócio é colocar tudo na ponta do lápis e realizar os cortes necessários para colocar o orçamento em dia.

Uma coisa é certa, o que estoura o orçamento são os pequenos gastos, não os grandes gastos fixos mensais. Todos sabem quanto gastam com aluguel, escola e transporte. O problema não está aí e sim nos pequenos gastos – é o cafezinho, o pão de queijo, o sorvete e muitos outros que nem ao menos notamos.

 Orçamento doméstico: o que cortar?

Em geral trabalhamos 22 dias úteis no mês. Se todos os dias tomarmos um cafezinho e comermos um pão de queijo na lanchonete, gastaremos, em média, R$ 4,00, que multiplicado por 22 já são R$ 88,00, vezes 12 R$ 1.056,00 ao ano. Parece pouco, mas este é apenas um item.

Faça um teste durante um mês; anote tudo, da caixinha no supermercado ao refrigerante no intervalo da universidade, no final do mês você ficará surpreso com quanto gastou com “bobagens”.

Como agir então?

Que tal estipular um valor mensal máximo a gastar com estes gastos não Orçamento doméstico: o que cortar? planejados? Pode-se definir um valor e conforme você for gastando subtraia do total, chegando-se a zero não há mais dinheiro a se gastar.

Outra dica é não viver de acordo com o padrão dos outros, estabeleça os seus. É normal ir no embalo da galera e gastar o que não tem no que não precisa.

Uma coisa comum de acontecer é querer trocar de carro e assumir parcelas num financiamento simplesmente porque um ou dois colegas do setor estão de carro novo. Outra coisa comum é comprar determinado tênis ou a roupa porque esta na moda. No setor que eu trabalho é costume se tomar sorvete toda tarde, o sorveteiro já está até acostumado a passar entre 15h00 e 16h00 e vender de 10 a 12 picolés. Além de ser um gasto desnecessário não é lá muito saudável. Pense só, se vai se tomar sorvete toda tarde porque não comprar diretamente na sorveteria ao invés de comprar do ambulante que vende por mais que o dobro da sorveteria? E pensando mais a frente porque não fechar um pacote de fornecimento mensal com a sorveteria negociando preços mais baixos? Percebe o que quero dizer, o problema não está em consumir, mas em consumir sem se planejar, aí não há orçamento que agüente.

Onde mais economizar?

Muitas são as formas de se economizar, algumas muito óbvias como apagar a luz e ficar menos tempo no chuveiro, isso todos já sabemos apesar de nem sempre praticarmos.

Talvez você possa cancelar sua linha fixa e usar apenas o celular, faça os cálculos e veja se compensa. Também ligar de celular para celular, da mesma operadora, é mais barato que ligar do fixo. Planos familiares é outra boa sacada, todas as operadoras, sejam móveis ou fixas, possuem algum tipo de plano.

Fuja de promoções. O problema não é a promoção e sim a compra de algo que não se esta precisando simplesmente porque está em promoção. Tem gente que não agüenta uma promoção que vai logo comprando.

Fuja de datas comerciais, compre antes. Os produtos estão mais caros agora que estamos próximos ao natal, porque não se programar para comprar os presentes de natal, por exemplo, em setembro, aí você enfrenta menos fila e ainda paga mais barato. O mesmo vale para as outras datas comerciais do ano.

No supermercado compre frutas e verduras que estão na safra, são mais baratas.

Ainda existem muitas outras dicas, mas o segredo é agir racionalmente, quando pensamos em dinheiro as emoções mais atrapalham que ajudam.

Boa sorte!

Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
Um comentário

Adicionar comentário