26 de junho de 2019

Seguro de carro não compensa.

carro 150x150 Seguro de carro não compensa. Você pagaria 1.000 reais por ano como proteção de um bem de 30 mil reais? Calma, não responda ainda. A possibilidade de você perder o bem é de no máximo 0,6% e mesmo que você esteja entre os “felizardos” ainda tem uma chance de 42% de voltar a recuperá-lo.

É, sejamos sinceros, analisando friamente não compensa ter seu carro assegurado. O valor pago é muito alto quando comparado com as chances de você fazer uso dele.

Inverta o raciocínio, você compraria um título qualquer pelo valor de 1.000 reais onde durante um ano você teria 0,6% de chance de ser sorteado e ganhar 30 mil reais? E mesmo se ganhasse teria 42% de chance de voltar a perdê-lo? Provavelmente não, você diria que o prêmio é muito baixo por um valor a ser pago tão alto e ainda com chance de perda mesmo após ter ganhado.

No primeiro semestre do ano foram furtados ou roubados 191.347 automóveis, sendo a quase metades deles em São Paulo (93.347). O Gol é o carro mais roubado, por ser o que mais circula nas cidades, mas proporcionalmente não é o mais visado.

Não estou dizendo através deste texto que você não deve ter seu carro assegurado. Só o escrevi, pois acabo de renovar o seguro do meu automóvel. Os valores citados no início se referem ao valor que acabo de desembolsar, na verdade foi um pouco mais de mil reais. E olha que já tenho mais que 25 anos – idade de risco de acordo com as seguradoras, e como consequência o valor do seguro é maior – e meu automóvel fica sempre em garagem ou estacionamento, tanto em casa como nos locais que trabalho.

Minha pergunta é: realmente compensa ter o carro assegurado!?

Acho que a resposta é bem pessoal. Se o carro lhe é indispensável e a falta dele lhe prejudicará em gerar renda, a resposta é sim. O lado psicológico tem forte influência também: estacionar e ficar tranquilo não tem preço.

Quer saber qual o carro mais visado pelos ladrões!? É o Fiat Stilo.

E a cidade de maior risco proporcional sabe qual é!? Diadema/SP.

Os dados estão aí, agora a decisão é sua. Boa sorte.

Dados da pesquisa:

CNSeg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização)

Sites consultados:

R7.com

Informação.blog.br

roubadosbr.com.br

autoforum.com.br

Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
46 Comentários

Adicionar comentário