23 de maio de 2019

Mudanças na regra de remuneração da Caderneta de Poupança.

poupança 150x150 Mudanças na regra de remuneração da Caderneta de Poupança.Eu duvidava, mas aconteceu: a regra de remuneração da velha e boa caderneta de poupança sofreu alterações. Os valores depositados até a data de hoje continuam a ser remunerados como antes: 0,50% mais TR (taxa referencial) ao mês. Já para os depósitos efetuados a partir de amanhã, dia 04/05/2012, a regra passa a ser a seguinte: sempre que a taxa básica de juros da economia estiver em 8,5% ou abaixo deste valor a caderneta de poupança remunerará em 70% da SELIC mais a TR. Se a SELIC estiver acima de 8,5% vale a regra antiga.

Parabéns a presidente Dilma pela coragem de fazer alterações no investimento mais conhecido do brasileiro em ano eleitoral.

A TR foi inserida no cálculo da rentabilidade da poupança no governo Collor. Em minha opinião poderia ter sido retirada do cálculo.

Muitos estão reclamando, afinal sempre que há mudanças o grupo dos reclamões se manifesta. Eu sei que o Brasil precisa de diversas reformas, já escrevi sobre isto. Mas, por algum ponto temos que começar, e a presidente resolveu atacar fortemente as taxas exorbitantes de juros aqui praticadas. Em países do primeiro escalão como EUA, Japão e Canadá, a taxa básica de juros não chega a 1%, aqui estamos próximos da mínima histórica de 8,75%.

Provavelmente a SELIC cairá mais meio ponto percentual na próxima reunião do COPOM. Teremos uma taxa básica de 8,5%. Fundos DI e o Tesouro Direto só ganharão da poupança se cobrarem taxas de administração de até 0,50%.

A presidente já afirmou que pretende terminar seu mandado com uma taxa de juros real de 2% (SELIC descontada a inflação). Para isto a SELIC terá que ficar próxima dos 7%.

Uma economia forte não se faz com taxas de juros tão altas. O Brasil para ser primeiro mundo precisa realmente ter taxas combatíveis com as dos grandes países.

Revise os cálculos para a sua aposentadoria. Se aposentar daqui a 30 anos investindo somente em renda fixa não será possível. Definitivamente o brasileiro precisará se aventurar aos riscos da renda variável e do empreendedorismo para ganhar dinheiro nos próximos anos. Provavelmente a renda fixa apenas garantirá o poder de compra, protegendo os valores aportados do poder corrosivo da inflação.

Com juros menores empresas ganham ao poderem ter um fluxo de caixa menos oneroso. Empreender fica mais barato com empréstimos sendo tomados a juros bem menores.

Bom final de semana.

Receba nossos próximos artigos diretamente em seu e-mail assinando nossa lista, basta colocar seu e-mail na caixa abaixo.



Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
15 Comentários

Adicionar comentário