25 de junho de 2019

Para que produtividade?

Veja bem, produtividade é uma coisa diferente de produção. É comum confundir as duas palavras como sinônimas.

Produção é apenas um número no tempo, não tem relação com eficiência. Alta produção não significa qualidade.

Produtividade é uma relação de tempo e resultado. Se uma organização produz 100 unidades de dado produto em 24 horas de atividade, ela é mais produtiva que outra que produza 200 unidades, do mesmo produto, em 72 horas. Perceba no exemplo que a primeira empresa teve uma produção maior, porém a segunda foi mais produtiva.

produtividade Para que produtividade?

Existem diversos estudos com foco na produtividade. Todo mundo deseja ser mais produtivo, mas ser produtivo não é fácil. Muitas vezes se produz muito, porém também se gasta muito e ainda a produção tem qualidade duvidosa.

Para que produtividade?

Não há dúvida que ser produtivo é bom. Mas para quê?

Produtividade sem foco também não é legal. Não adianta o departamento de produção de uma organização ser altamente produtivo e seu departamento de vendas não ser capaz de vender esses produtos, ou pior ainda, se o produto produzido não tiver demanda no mercado.

Hoje devemos pensar de forma holográfica e organizações devem trabalhar de maneira holística. Nossa, escrevi bonito agora, mas o que significa isso?

Trabalhar de maneira holística é ver a organização como um todo. O grande problema é que administradores estão, em geral, preocupados apenas com o seu departamento. A preocupação é ser efetivo em sua área, mas esquecem que o sucesso organizacional somente acontece quando todos os departamentos são efetivos. Não adianta a produção ser produtiva e o marketing não conseguir divulgar o produto.

Pensar de maneira holográfica é mais complexo. Partes da organização devem ser capazes de representar o todo. Deve ser possível enxergar o todo em suas partes. O cérebro humano trabalha de maneira holográfica, quando uma parte falha (sofre um dano neurológico) as demais se unem para não comprometer o sistema como um todo. A preocupação é o alcance do resultado, sendo assim, todas as partes se unem para alcançá-lo. O cérebro tem a capacidade de auto-organizar-se, empresas devem buscar tal capacitação.

Entendo que a busca de produtividade simplesmente por ser produtivo não leva a nada. A produtividade focada nas metas organizacionais é o que interessa. Produtividade deve ser um todo organizacional e não um dado estatístico de um setor ou departamento específico. Isso não garante sucesso organizacional.

Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
Sem comentários

Adicionar comentário