25 de junho de 2019

Se o Papai Noel fosse esperto não compraria presentes em dezembro.

dezembro 150x150 Se o Papai Noel fosse esperto não compraria presentes em dezembro.Dezembro é o mês do ano que as pessoas mais gastam. Seja porque é o mês que comemoramos a vinda daquele que veio ao mundo para nos salvar – estou falando do 13º – seja porque é o mês do bom velinho entregar presentes.

Dois erros a grande maioria das pessoas cometem neste mês:

O primeiro é achar que dinheiro em conta corrente deve ser gasto. É impressionante como muitos acreditam que o dinheiro recebido num mês é para ser torrado integralmente no mesmo mês. Muitos arrumam maneiras de gastar com coisas que não estão precisando simplesmente porque sobrou dinheiro. Como no mês de dezembro a grande maioria dos trabalhadores recebe um salário adicional, logo vem o seguinte pensamento à mente: como vou torrar esse dinheiro? Aí compras desnecessárias acontecem, compra-se simplesmente porque existe dinheiro sobrando. O que muitos se esquecem é que no primeiro mês do novo ano as contas pesadas chegarão – IPVA, IPTU, matrícula escolar, conselho regional – e somente o dinheiro que entra no mês de janeiro, provavelmente, não será suficiente para quitar todas essas dívidas.

Já o segundo grande erro é realizar compras de presentes e roupas no mês de dezembro. O comércio explora, os preços sobem. É a velha lei da oferta e da procura, muitas pessoas procurando um produto o preço dele tende a subir. Por que não deixar para realizar compras no final de janeiro ou começo de fevereiro? Esses são meses que a procura é menor e consequentemente os preços diminuem, você irá pagar bem menos nestes meses. Ah, mas o Natal é em dezembro! Tudo bem, mas então porque não comprar antes os presentes? Em setembro por exemplo. Não pensei em outubro, pois é o mês das crianças e outro mês a se evitar comprar brinquedos.

Eu não vejo problema nenhum em se gastar mais ao se comprar em dezembro. Desde que você tenha o dinheiro e seja uma escolha sua. O problema é que quem gasta, em geral se endivida e compra movido por uma tradição imposta estrategicamente pelo comércio.  Eu não realizo compras em dezembro, espero o final de janeiro e aproveito as promoções, pago menos e com isso posso comprar mais. Outra vantagem é que novas coleções da moda surgem e as antigas ficam mais em conta, sendo assim quem não liga em não estar na última moda ganha novamente.

O grande segredo, que na verdade não é segredo porque todo mundo sabe, é se gastar menos do que se ganha. Só que com os velhos paradigmas isso não é possível, pois eles dizem que temos que torrar todo o dinheiro possível e em datas predeterminadas. Também temos que criar o bom hábito de anotar receitas e gastos, só assim se consegue de fato entender e controlar o fluxo do dinheiro. E por último é necessário querer, querer deixar de ser um gastão endividado e ser um cidadão com gastos controlados e reserva financeira para emergências.

Pense nisso!

Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
4 Comentários

Adicionar comentário