13 de dezembro de 2018

Como planejar meu orçamento para o próximo ano?

como planejar meu orcamento para o proximo ano e1543426094927 Como planejar meu orçamento para o próximo ano?

Sair do vermelho e equilibrar as contas não é nada fácil. Mas não basta apenas disciplina para conseguir controlar os gastos, equilibrá-los com a renda e conseguir ficar com saldo positivo no banco.

Para alcançar o tão desejado equilíbrio financeiro, é necessário planejamento. Elaborar um planejamento realista, que realmente diga respeito ao seu padrão de vida, sua renda mensal, considerando os gastos fixos, variáveis e até os gastos extras (sim, é possível se preparar para os imprevistos).

Aprenda a elaborar o seu orçamento anual em simples passos

1. Estabeleça seus objetivos:

Considere racionalmente quais são eles. Pode ser quitar suas dívidas, fazer uma economia maior, entre outros. Logo após, é importante que você estabeleça as metas para alcançar esse objetivo ao longo do ano. As metas devem funcionar como passos a serem dados para alcançar o objetivo, e devem ter prazos para serem alcançados.

2. Analise suas despesas:

Nesse ponto, é importante você levar bastante a sério as dívidas que possui mensalmente. Leve em conta as despesas fixas (prestações e mensalidades), despesas variáveis (como as faturas de água e luz e despesas com lazer), os gastos adicionais (aqueles que não acontecem todos os meses, como roupas, presentes, e viagens), e as despesas extras (manutenções e reserva para imprevistos). Com esses dados em mãos, estabeleça a média de gastos mensais. É interessante que seja feita uma comparação com o ano anterior para facilitar.

3. Estabeleça suas receitas fixas:

De onde vem seu dinheiro? Aqui deve ser considerado o seu salário, contas a receber, e outras fontes de renda fixas que você tem. É indicado que não sejam consideradas as rendas variáveis, como pagamentos esporádicos e ressarcimentos incertos, para que não “faça falta” caso você não receba esses valores.

4. Compare seu planejamento de gastos com o de receitas:

Obviamente, a receita deve ser maior que a despesa, para evitar contratempos. É mais importante ainda que você tenha margem para poupar dinheiro, destinando de 20% a 30% para poupar e/ou investir, e mais 5% mensais para um fundo para emergências.

Caso as despesas sejam maiores, ou você não tenha margem para poupar, você inevitavelmente deverá fazer uma “faxina” nos gastos, como verá no próximo tópico.

5. Corte e redução de gastos:

Questione-se sobre a necessidade real de fazer os gastos mensais que você listou. Priorize as despesas essenciais, como alimentação e higiene, mas ainda assim reconsidere possibilidades. Adequar-se ao padrão de vida que sua receita te proporciona; procurar alternativas para economizar no transporte; renegociar dívidas com o banco, verificar o melhor plano de cartão de crédito para o seu bolso, cancelar ou bloquear cartões para evitar novas dívidas, renegociar o cheque especial.

Essas são apenas algumas das alternativas que podem ser utilizadas para cortar gastos e aumentar sua margem. Não será fácil, mas é preciso ter perseverança e não desistir ao longo do processo.

6. Planejar investimento para seu dinheiro render:

Sim, você pode multiplicar seu dinheiro. Os investimentos mais comuns para iniciantes no mundo dos investimentos são a famosa poupança, o tesouro Selic e os CDB’s. São investimentos mais conservadores, mas que vão ajudar a compor sua renda. Você também pode procurar um corretor de investimentos e consultar sobre as possibilidades, ou um consultor financeiro.

7. Autocrítica e reanálise:

É importante ser realista e honesto com você mesmo. Com todo o planejamento em mãos, é de vital importância que você registre seus gastos e receitas mensalmente durante o ano, revendo e analisando novamente tudo o que foi planejado para o ano em questão. Se necessário, faça alterações, o importante é não ficar com dívidas e cumprir seus objetivos.

Como controlar meus gastos e receitas ao longo do ano?

A tecnologia ajuda a automatizar esses processos, existem aplicativos e sistema de gestão financeira, além da clássica planilha de gastos. Mas com os dois primeiros você tem melhor controle com as configurações e até avisos previamente determinados por você.

Precisando controlar as finanças? Clique aqui e comece agora!

Artigos Relacionados:

Efetividade Finanças Pessoais

Outros textos de Efetividade Finanças Pessoais

Adicionar comentário