25 de junho de 2019

Recebeu um dinheiro extraordinário e não sabe se amortiza o financiamento imobiliário ou investe o dinheiro

Uma dúvida comum de quem possui financiamento imobiliário é o que fazer com a dívida quando uma receita extraordinária adentra ao fluxo de caixa.

Imagine que a dívida a pagar referente ao financiamento seja de R$ 75 mil e um valor de R$ 50 mil foi adicionado excepcionalmente em sua conta corrente. O que fazer? Quitar parcialmente o valor devido ou investir o dinheiro recebido?

Para responder satisfatoriamente a esta questão alguns pontos importantes devem ser esclarecidos:

  • Você possui reserva para emergências?
  • Qual CET (custo efetivo total) do financiamento?
  • Onde você irá investir o novo dinheiro?
  • Qual sua relação com o dinheiro?

dinheiro Recebeu um dinheiro extraordinário e não sabe se amortiza o financiamento imobiliário ou investe o dinheiro

 

Se o possível dinheiro advier do saldo presente no FGTS não há duvida que a melhor escolha seja retirar o dinheiro e amortizar a dívida. Não importa o valor acumulado no fundo, sendo possível, não titubeie e faça. A lógica para esta decisão é muito simples, o FGTS remunera seu dinheiro a míseros 3% a.a. Perde da inflação. Dinheiro presente no FGTS é dinheiro sendo desvalorizado.

E se o dinheiro vier de fato de uma receita extraordinária, uma herança, por exemplo? A melhor escolha é investir este dinheiro e continuar pagando as parcelas do financiamento. Financiamento imobiliário tem juro subsidiado e o tomador do crédito paga algo entre 8% e 9% ao ano de juro e um investimento que se adere à Selic ou pré-fixado remunera melhor o investidor. É possível conseguir um rendimento líquido nominal anual, ou seja, depois de descontado taxas e IR, de 10% ao ano.

Outro fator importante é que investindo o dinheiro você terá caixa para eventuais emergências e mesmo oportunidades futuras. Quem tem caixa tem poder. Pode pagar à vista e fazer exigências não ficando a mercê do estabelecimento.

Porém, existe outro problema a ser considerado: sua relação com o dinheiro. Só faz sentido não quitar a dívida quando o juro recebido é maior que o juro pago. Se você ficar tentado a gastar o dinheiro excedente ao invés de investi-lo com sabedoria, a melhor escolha é amortizar a dívida imobiliária.

Muitas pessoas não podem ver dinheiro que acham que tem que gastá-lo, e entre gastar com algo desnecessário ou diminuir a sua dívida não resta dúvida de qual escolha é a mais inteligente.

Minha planilha abaixo resume o comportamento do dinheiro e da dívida em diferentes situações.

tabela comparativa Recebeu um dinheiro extraordinário e não sabe se amortiza o financiamento imobiliário ou investe o dinheiro

Conclusões:

O valor desembolsado ao pagar através do sistema SAC é menor que o pago pela tabela Price. Sempre que possível escolha a tabela Price em um financiamento;

O governo rouba você remunerando seu dinheiro presente no FGTS com valores abaixo da inflação e da Selic;

Porém, este mesmo governo subsidia seu financiamento usando o saldo do FGTS para isso. É uma espécie de pegadinha do malandro;

Você pode ainda amortizar R$ 50 mil e continuar a pagar o valor restante, R$ 25 mil, em parcelas de R$ 650,00. Fazendo esta escolha pagará mais 46 parcelas.

P.S.

Sempre fique atento ao CET e não somente ao valor do juro. Na última semana recebi um ligação do Banco do Brasil me oferecendo empréstimo consignado com taxa de 1,54% a.m. Perguntei o valor do custo total e fui informado ser de 21,02% a.a., quase o dobro da Selic.

Meu amigo Guilherme também alertou seus leitores sobre as estratégias dos bancos para vender dinheiro a seus clientes com o artigo intitulado “Coisa boa nunca vai atrás de você (você que tem que ir atrás dela) icon wink Recebeu um dinheiro extraordinário e não sabe se amortiza o financiamento imobiliário ou investe o dinheiro

Outro texto que merece leitura foi o publicado pelo amigo Kleber: “Como enganar o trabalhador concedendo Direitos Trabalhistas“.

Boa semana!

Editado

O leitor e também blogueiro Kleber, em conversa privada comigo, alertou da correção do valor da parcela do financiamento. Ele tem razão. Caso a parcela do financiamento seja anualmente corrigida pelo IPG-M, INCC ou IPCA, passa a ser mais vantajoso amortizar a dívida. Já se a correção for pela TR (que não seria bem uma correção, pois a TR não é um índice inflacionário) é vantagem financeira investir o dinheiro e continuar a pagar o financiamento.

Inicialmente conversei com uma pessoa que me disse que sua parcela é corrigida apenas pela TR. Em pesquisas na internet descobri todo tipo de correção, sendo o INCC o mais comum em moradias ainda em construção.

Cabe ao leitor ficar muitíssimo atento ao índice de correção.

Se você possuir financiamento imobiliário e puder deixar um comentário sobre como é feita a correção das parcelas será de grande ajuda.

Obrigado!

Leia também:
Como Investir Dinheiro

 

 

Artigos Relacionados:

Jônatas Rodrigues da Silva

Administrador na Universidade Federal de São Carlos e professor do Estado de São Paulo no Centro Paula Souza. Autor do livro Método para a Educação Financeira: da Sensibilização à Ação.

Outros textos de Jônatas Rodrigues da Silva
9 Comentários

Adicionar comentário